Arquivo

Posts Tagged ‘Inglaterra’

Pub britânico multado por download ilegal feito por usuário de sua rede Wi-Fi aberta

2 de dezembro de 2009 1 comentário

O proprietário de um pub do Reino Unido foi condenado a pagar uma multa de 8.000 libras depois que um de seus clientes usou sua conexão wireless aberta para baixar ilegalmente material protegido por direitos autorais. De acordo com o ZDNet, acredita-se que este seja o primeiro caso no país em que o operador de hotspot – que permite a compra ou acesso gratuito à conexão de internet de alta velocidade sem fio – foi processado com sucesso por downloads ilegais feitos por seus usuários.

Segundo a professora de Direito Lilian Edwards, entrevistada pelo site, pelas leis atuais de direito autoral no Reino Unido, em teoria, as empresas que operam um hotspot para clientes ou visitantes não poderiam ser consideradas responsáveis por downloads ilegais de usuários.

No entanto, se o projeto Digital Economy, proposto pelo governo na semana passada, passar com a sua redação atual, o problema dos prestadores de hotspot pode ficar pior.

A princípio, tais empresas não correriam risco de ter seus serviços cortados no âmbito da regra “three strikes”, que determina a suspensão da conexão de usuários que infringirem a lei de copyright três vezes. Elas teriam uma isenção com base no fato de não serem “assinantes”.

No entanto, dada a impossibilidade de se saber que o IP utilizado trata-se de um hotspot, e não de um usuário, o detentor do copyright poderia simplesmente marcar o endereço da Internet do hotspot como infrator, sem saber quem realmente usou o serviço para fazer o download. O operador do hotspot só poderia esclarecer que não foi o usuário final do serviço responsável pelo crime após a desconexão, o que certamente traria prejuízos e aborrecimentos para seus proprietários.

Fonte: IG Tecnlogia

Mais Inglaterra, agora de Partido Pirata

18 de agosto de 2009 1 comentário

” Partido Pirata ganha representação inglesa

SÃO PAULO – Os piratas estão chegando. No Reino Unido, o Pirate Party, PP, ou Partido Pirata, foi registrado nesta semana como um partido oficial pela Comissão Eleitoral.

De origem sueca, a coligação, agora, quer usar a influência dos ingleses para buscar suas reformas na área tecnológica e na política de direitos autorais na web. Segundo o site do partido, que já aceita doações por cartões de crédito, a comissão possui 250 membros ativos na causa de “liberdade de expressão” até o momento.

No comunicado aberto, Andrew Robinson, o chefe da atuação do Pirate Party UK, diz que o partido está apto para disputar as eleições gerais de junho de 2010 e também já tem a liberação para arrecadar fundos.

O Partido Pirata possui grupos representantes em 37 países e já coleciona algumas conquistas. Em maio, o Partido Pirata da Suécia ganhou uma cadeira no Parlamento Europeu, com 320 mil votos ou 7,1% dos votos do país. Foi a partir desta vitória, aliás, que Robinson passou a fazer parte do grupo dos piratas.

Duas semanas depois, em junho, o Partido Pirata alemão, ou German PiratenPartei, ganhou uma cadeira no Parlamento Federal Alemão ao receber o político Jörg Tauss, que fazia parte da cúpula do Partido Social Democrata (SPD). Ele já havia sido eleito pela antiga coligação e migrou para o PP, por não concordar com a censura da internet adotada pelo partido.

O Partido Pirata do Reino Unido já possui uma comunidade no Facebook e comemora o fato de ter cerca de 1500 seguidores, superando alguns rivais tradicionais da região, como o Partido Conservador e o UKIP.

Apesar de ter muitos adeptos provindos da cultura “torrent”, o Partido Pirata não possui ligação com o indexador de torrents The Pirate Bay.”

Fonte: InfoAbril

Links: Site do Partido, Comunidade do Partido no Facebook, Partido Pirata no Brasil

Na crise, ingleses preferem tecnologia a viagens

10 de agosto de 2009 1 comentário

Ingleses preferem cortar gastos com viagens do que com tecnologia

Em tempos de crise e corte de gastos, do que a população prefere abdicar e o que prefere manter? Pelo menos para os ingleses a tecnologia é algo indispensável, e até as férias anuais ficam de fora para que as pessoas possam garantir sua TV, seu celular ou seu computador.

Um estudo publicado pelo Ofcom, escritório de comunicações do Reino Unido, mostrou que apesar da alimentação ser prioridade no orçamento dos ingleses, esses preferem a tecnologia a qualquer outro motivo em segundo lugar nas suas preferências.

Segundo o site da BBC 40% dos 862 entrevistados pela Ofcom declararam que em tempos apertados acabam cortando gastos com jantares fora de casa e viagens, enquanto apenas 19% disseram que economizariam na conta do celular, seguidos por 16% que cancelariam o serviço de TV por assinatura e outros 10% que desistiriam da banda larga.

O motivo da preferência seria justamente a própria crise, que obriga as pessoas a passarem mais tempo dentro de casa e longe de amigos e parentes. Sem sair, as pessoas vêem muito mais televisão e passam mais tempo navegando na rede, além de utilizarem mais o celular para falar com conhecidos.

“Apesar da recessão, as pessoas estão passando mais tempo assistindo televisão, usando seus celulares ou acessando a internet. Eles preferem não jantar fora ou ficar sem viajar do que desistir de seus telefones, banda larga ou TV à cabo” declarou Peter Phillips em nota publicada no site Digital Trends.

Mas esses dados não significam que os ingleses gastam a torto e a direito com esses serviços. A pesquisa também revelou que eles estão ficando mais prudentes com o dinheiro que gastam com tecnologia. “Quase a metade de nós economiza contratando um pacote de serviços de comunicações de um único fornecedor, enquanto um quinto opta por contratos de celular mais baratos que não incluam um telefone novo e caro” completou Phillips.

Fonte: Geek